>> Voltar a Entrada >> Enter to The Matrix!

Na mira dos piratas
Impostos de mais de 250% encarecem videogames no Brasil e incentivam aumento de contrabando
Marcelo Portela 2007-08-08
Na década de 80, uma diversão relativamente barata e que garantia horas de entretenimento aos jovens caiu no gosto popular. Graças à profusão dos consoles e cartuchos de baixo custo, principalmente da Atari e do Magnavox Odyssey, grande número de pessoas tinha acesso aos videogames. Hoje, a situação é bem diferente e jogar no Brasil nunca foi tão caro. Com uma carga tributária que pode chegar a mais de 250% do valor dos produtos vendidos nos mercados americano e japonês, os games, por aqui, se tornaram uma diversão para poucos privilegiados que podem pagar até 10 salários mínimos por um console, além de algumas centenas de reais pelos jogos.

Ao mesmo tempo que restringe o acesso, a alta carga tributária que incide sobre os games ainda é responsável por dois outros problemas, muito mais sombrios: o contrabando e a pirataria. Em Belo Horizonte, é fácil encontrar qualquer um dos produtos do gênero em shoppings populares, pela internet ou mesmo em vendedores ambulantes espalhados pelas ruas da capital.

Consoles das principais marcas, CDs e DVDs de jogos são oferecidos livremente, por preços bem abaixo daqueles cobrados no mercado formal. O Informátic@ foi a um dos shoppings populares de BH e constatou que os produtos são expostos em dezenas de boxes e os vendedores falam abertamente sobre o ?destravamento? dos consoles para que eles suportem os games pirateados.

Na tentativa de mudar esse quadro e impulsionar o mercado formal de games, um projeto de lei que tramita atualmente na Câmara dos Deputados prevê a inclusão dos videogames em uma série de isenções que beneficiam outros produtos de informática. Enquanto o projeto tramita e os preços permanecem os mesmos, os usuários optam pelo chamado mercado ?cinza? para garantir a diversão. ?Não gasto R$ 100 ou R$ 200 para comprar um jogo de jeito nenhum. Baixo da internet ou compro pirata?, afirma o estudante R. P., de 16 anos, dono de um Playstation e de um PC, nos quais disputa partidas em variados títulos.


Uai




Anunciar na CULTZONE é muito fácil


Termo de Uso Não Obrigatório, apenas para fins legais

101 Copyright © 2003-2005-2006-2007-2008-2009-2010-2011-2012-2019 CULTZONEZai AGÊNCIA CRIATIVA.
Todos os Direitos Reservados CULTZONEGroup
Powered by CULTZONE WebSolutions
CULTZONE IT'S A TRADEMARK. DON'T COPY!

Read book